fig_aedes_dengue_interna

Cerca de 1 milhão e meio de pessoas devem contrair o zika vírus no Brasil, em 2016. A estimativa é da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS). O Zika é uma das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti e também a mais grave, já que está associada a casos de microcefalia, uma condição neurológica que leva à diminuição do tamanho da cabeça e do cérebro de bebês.

Para vencer a epidemia no estado de São Paulo, em 2015 foi criado o Plano Estadual de Combate ao Aedes aegypti, envolvendo um esforço concentrado e simultâneo das várias áreas do poder público estadual,  da sociedade civil organizada, voluntários e equipes municipais.

GTE/Fundação Vanzolini apoia iniciativa da Secretaria da Saúde 

A GTE/Fundação Vanzolini, parceira da Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, apoiou a Sucen – Superintendência de Controle de Endemias, no desenvolvimento de materiais informativos sobre o mosquito.

Um site foi concebido e desenvolvido com o objetivo de capacitar policiais militares, Defesa Civil, equipes de campo da Sucen, agentes de vigilância municipais e voluntários. Nele são apresentadas três videoaulas comandadas por especialistas. A primeira videoaula trata das características das doenças transmitidas pelo mosquito; a segunda orienta sobre o combate ao mosquito; e a terceira videoaula oferece estratégias para a abordagem de moradores.  Os profissionais foram certificados pela participação e uma funcionalidade do site permitiu à Sucen saber se o contingente de uma determinada região assistiu aos vídeos e reforçar a capacitação, caso fosse necessário.

A GTE/Fundação Vanzolini também está apoiando a produção de um vídeo com orientações sobre o combate ao foco em prédios públicos.

Irma Neves, da Diretoria de Combate a Vetores da Sucen ressalta a importância do apoio da área de Gestão de Tecnologias em Educação (GTE) no projeto.  Segundo ela “as videoaulas facilitam a disseminação da informação para um grande número de pessoas ao mesmo tempo, o que para a saúde pública pode significar um avanço, na medida em que amplifica a capacitação das pessoas nas ações de controle vetorial.  Temos buscado alternativas de consumir as informações que chegam todos os dias no correio eletrônico e, neste sentido, as peças produzidas tiveram boa receptividade. Temos interesse em dar continuidade a este tipo de investimento.

Para mais informações sobre esta ação, clique aqui