Dedicado exclusivamente ao futebol, o Cinefoot – Festival de Cinema de Futebol anualmente premia curtas e longas-metragens de toda a América Latina. Em sua 9ª edição, seis filmes foram premiados, entre eles uma produção do cinegrafista Alex Miranda, que há oito anos integra nossa equipe da GTE/FCAV, apoiando as transmissões da Rede do Saber por trás das câmeras.

A premiação aconteceu em São Paulo, no Museu do Futebol, e Alex levou o Troféu João Saldanha – nova categoria destinada a filme que melhor expresse as faces humanas, democráticas e libertárias do futebol – pelo seu documentário “Sou Favela”. Com 76 minutos de duração, o longa-metragem conta a história do time de várzea AEC Favela FC, do Jardim Miragaia.

O projeto nasceu de uma forma curiosa. Em 2014, Alex resolveu ajudar um amigo, registrando imagens da final de um torneio de futebol varzeano, disputado no Pacaembu, entre o AEC Favela e o Divisa FC. Ficou impressionado com o tamanho do evento e o entusiasmo de toda a comunidade. Infelizmente, naquele ano, o Favela perdeu, mas aquele seria apenas o início de uma vitória que viria fora dos campos.

Foram quase dois anos de gravações, até nascer o documentário sobre a relação entre o time e os moradores da comunidade, localizada na região do Itaim Paulista, na Zona Leste de São Paulo. “Com uma câmera na mão, vivi por meses uma parte da trajetória do Favela Futebol Clube nos campeonatos de várzea de São Paulo, registrando momentos de vitória, de derrota, de reflexão. A dedicação dos jogadores, o empenho do presidente Dumeen, a devoção dos ‘Faveloucos’, que é a torcida do time, o envolvimento e comprometimento da comunidade: tudo isso está de alguma forma retratada nesse documentário. A realização do filme realmente é uma honra, porque essa é uma história que merece ser contada e precisa ser escutada, ampliada. E claro que uma premiação da proporção do Cinefoot nos enche de orgulho”, conta Alex.